/ Com a Kino é mais fácil | Novos negócios

Coworking e home-office – novos modelos de negócios

Aluguel, financiamento, reforma, mobília, equipamentos, sistemas de segurança, condomínio, porteiro, vigia, faxineira, água, luz, telefone, atestado médico, férias, licença, salário. Estes são vocábulos que fazem parte do dicionário de uma empresa. Quando se lê tudo isso de uma vez, chegamos a sentir um frio na espinha, ainda mais quando o nosso grande desejo é empreender em um negócio e a grana está curta.

E olha que nem chegamos a mencionar taxas, impostos e fornecedores. Mas todos nós sabemos que qualquer negócio demanda investimento, seja para comprar uma pipoqueira ou arrendar um jato comercial. E colocar tudo isso na ponta do lápis pode ser desanimador. Mas, relaxe!

Em meio à crise, profissionais freelancer, autônomos e MEI – Microempreendedores Individuais, buscaram uma forma de reduzir esses custos iniciais com infraestrutura.

A solução encontrada por eles são os chamados Coworkings e Home-Office.

Mas o que é coworking? E home-office?

Estes são dois termos que estão em alta atualmente. Graças à internet de banda larga, smartphones e notebooks, dependendo da atividade não é preciso mais investir no aluguel ou compra de um imóvel e de toda a instalação de infraestrutura para ter uma empresa.

Para quem atua sozinho, ou tem sociedade com um pequeno grupo de profissionais, os coworking e home-offices se tornaram grandes soluções.

O home-office, como o próprio nome sugere numa tradução literal, é o escritório em casa. Este modelo tem sido muito adotado na Europa e Estados Unidos e chegou ao Brasil há alguns anos.

Muita gente organiza sua empresa dentro de casa. Seja numa mesa no canto da sala, ou seja em um cômodo exclusivo para trabalho. Ou até mesmo um andar. Aí vai depender de quanto espaço cada empreendedor tem.

Os home-offices têm ganhado adeptos por economizar tempo e dinheiro dos empreendedores. O tempo poupado em deslocamento de casa ao escritório é revertido em mais produtividade. Assim como a economia com combustível, estacionamento e restaurante gera menor impacto nos custos do negócio.

Claro que montar (ou improvisar) seu escritório em casa tem limitações de trabalho. Nem sempre a residência é adequada para receber um cliente. Seja pelo espaço físico, localização ou até mesmo pelo acesso.

Condomínios têm regras para a circulação de pessoas que não sejam residentes. Mas não tem problema. É para isso que foi inventado o tal do coworking.

Coworking nada mais é que uma estrutura de escritório para uso temporário. São escritórios compartilhados e salas de reunião, com opções de serviços como café, projeção, internet, telefonia, secretária que são alugadas por curtos períodos, horas, diárias ou mensais, para receber um cliente, para fazer a reunião da equipe de trabalho de forma mais organizada e profissional.

Daí, se o empreendedor é um designer de produto, por exemplo. Ele pode muito bem trabalhar em casa, com seu notebook ou desktop calçado de pantufas sem a menor preocupação se o trânsito está engarrafado ou se conseguirá uma vaga perto do escritório.

E quando surgir uma reunião com cliente, basta agendar um horário num coworking, que terá toda a estrutura necessária para realizar o encontro da melhor maneira possível.

O designer é só um exemplo. Esse profissional pode ser um fotógrafo, um jornalista, um produtor de vídeo, programador, engenheiro, detetive particular, promoter, organizador de festa, ou qualquer atividade que não exija ter uma estrutura física como um consultório médico ou odontológico, escritório de advocacia ou oficina ou estúdio para receber seus clientes e prestar seus serviços. Dá até para fazer tudo isso em casa, só vai depender se o imóvel comporta e é adequado.

Tentações do home-office

Quando se inicia um empreendimento, é preciso ter atenção redobrada com os prazos de entrega. Afinal, o empreendedor precisa conquistar a confiança de seu cliente. Quando se tem um escritório, consultório ou loja, é preciso abrir a porta da loja todos os dias. O empresário sabe que porta fechada não faz dinheiro. Pior, espanta o cliente.

No entanto, quando se trabalha em casa e maioria dos contatos são por telefone ou alguma aplicação online, o cliente não sabe ou mesmo quer saber se o empreendedor está de pijama ou não. Ele apenas exige que os prazos sejam cumpridos.

Sendo assim, o empreendedor precisa se policiar, criar hábitos para não deixar que pequenas tentações como dormir mais 10, 20, 30 minutos comprometa seu desempenho.

Estipular horários para a jornada de trabalho é primordial para que o empreendedor cumpra com suas tarefas diárias.

Caso seja negligente, é fatal que ele não conseguirá atender as demandas de seus clientes no prazo determinado. E isso pode trazer consequências desastrosas como a perda do cliente ou, até mesmo, uma multa por quebra de contrato.

Outro desafio do empreendedor que opta ou não pode investir num escritório próprio é passar solidez para seu cliente.

Como já foi dito antes, dependendo da natureza do serviço, pouco importa executá-lo numa sala com outras trezentas pessoas, ou numa mesa de plástico diante da piscina do clube.

O importante é executar o serviço, dentro do prazo e com qualidade, e provar para seu cliente que não é uma estrutura física que irá garantir o bom atendimento e o resultado satisfatório. Mas, sim, o seu compromisso e dedicação com aquele trabalho.

Dica para não fazer feio no coworking

Os espaços de coworking estão em alta. Além de salas de reunião, eles também atuam como escritórios compartilhados que podem ser locados por períodos maiores (mensais, semestrais) e ainda oferecem serviços de atendimento telefônico, agendamento e confirmação com cliente e recebimento de correspondência.

Muitos profissionais preferem esses espaços, justamente por poderem compartilhar o ambiente com outras pessoas, que atuam ou não na mesma área, podendo ampliar o networking e,até mesmo, viabilizar parcerias de negócios.

Estas salas compartilhadas são encontradas em shoppings e edifícios comerciais. Cada um com valores e serviços variados.

Uma dica para não ter nenhum tipo de constrangimento com um coworking é testar o espaço, antes de convidar os seus clientes. Vale a pena agendar horários para uma reunião com seus próprios colegas de empreendimento.

Assim, você poderá avaliar a qualidade do serviço oferecido, se os equipamentos disponíveis funcionam, a limpeza e outros detalhes que podem fazer a diferença na hora de uma apresentação para o cliente ou assinatura de um contrato.

Geralmente as empresas que oferecem esses espaços são criteriosas, mas convém experimentar antes.

Soluções online

Hoje é possível ter um escritório apenas em um notebook, fazer reuniões pelo smartphone, alugar uma sala por algumas horas e utilizar serviços de transporte compartilhados, graças as soluções online que facilitam a vida de quem está começando um negócio.

Assim, como Home-office e coworking, os novos empreendedores estão em busca de soluções que possam tornar o seu negócio mais viável, tais como ferramentas de gestão online para:

Para o microempreendedor individual, freelancer, profissional autônomo, essas soluções dinamizam e reduzem custos desnecessários, que poderiam inviabilizar a continuidade do negócio.

Leia também

Dicas de Gestão para empreendedor de Marketing Digital

Abri minha empresa e, agora? Desafios de gestão do novo empreendedor

Nem freelancer, nem informal – é MEI


Sobre o Autor
Bruna Moreira